level1

terça-feira, 29 de novembro de 2011

O Leaozinho Orgulhoso

O Leaozinho Orgulhoso,  Fábula Oriental
Fábula do Leaozinho Orgulhoso

Os bichos andavam alarmados, com medo do homem perigoso. Nem sabiam que jeito tinha, mas o leãozinho vaidoso convidou sua amiga, a patinha:
Venha ver, com ele vou lutar. Essa caçada, tão diferente, é o que agora vou contar.
Numa linda ilha no meio do mar, rica de árvores, de frutas, de flores, rios, lagos e cachoeiras, viviam em liberdade mil espécies de animais. O homem não tinha chegado até lá e nenhum dos animais que moravam ali o conhecia.
Certa noite, uma patinha que vivia nessa ilha teve um sonho maravilhoso.
Apareceu-lhe a rainha das patas, que lhe revelou um segredo, dizendo-lhe bem claro:
- Se você nadar três dias e três noites seguidas, em direção ao levante, encontrará uma terra encantada.
A patinha acordou e se pôs imediatamente a caminho. Depois de dois dias de viagem pelo mar, chegou à praia e se atirou na areia, quase morta. Tinha nadado tanto! Dormiu de cansaço e tornou a sonhar com a rainha que lhe dizia:
- Patinha, você se enganou! Eu disse para nadar para o levante e não para o poente. . .  Vindo para cá, você cometeu um erro, pois aqui vive um ser terrível: o homem! Tome cuidado!
A patinha acordou sobressaltada. Cheia de medo saiu correndo à procura de um abrigo contra o ser terrível que se chamava homem.
Por fim encontrou um leãozinho, que de preguiça nem abriu os olhos quando lhe indagou:
- Quem é você e a que espécie animal pertence?
- Sou uma patinha, da família das aves. E você?
O leãozinho entusiasmou-se e respondeu cantando:       
" Da floresta eu sou rei (por enquanto é o meu pai, mas um dia eu serei). Sou feroz e poderoso, todos ficam a tremer quando urro majestoso. Que raiva, se desafino e Mamãe fico a chamar."
A patinha tremendo de medo, pediu ajuda àquele personagem tão importante que tivera a sorte de encontrar, dizendo:
- Você, que é filho do rei da floresta, podia tentar liquidar o homem, para os animais viverem tranquilos.
- Você tem razão, patinha. . .  Meu pai me aconselhou a fugir do homem, mas já estou bastante grande para atacá-lo. Venha comigo.
E o leãozinho pôs-se a caminhar seguido pela patinha, que tentava acertar o passo pelo dele, muito confiante.
 - Veja, patinha! Que nuvem de poeira!
- Não será o homem? - indagou ela.
- Acho que não. . . -respondeu o leão. - É um quadrúpede!
Quando se aproximaram, indagou:
- Animal desconhecido, diga quem é!
 Diante deles estava um burrinho, que disse:
- Pertenço à espécie asinina e estou fugindo do homem. Ele quer que eu trabalhe muito e coma pouco.
- Que vergonha! - falou a patinha.
- Você teve muita sorte em me encontrar - afirmou o leãozinho. - Estou conduzindo meu exército contra o homem.
- Que exército? - quis saber o burro.
O leãozinho não se apertou:
- Bem, por enquanto o meu exército é esta patinha. Mas, se você se une a nós, eu dou a você o posto de cabo e a patinha eu deixo como simples soldado.
- Aceito - concordou o burro, zurrando de satisfação com o posto.
 A patinha não entendia nada de postos, por isso nem ligou. O pequeno exército continuou sua marcha em busca do homem. Daí a pouco apareceu no horizonte outra nuvem de pó.
O leãozinho ordenou:
- Batalhão. . . alto lá! Estão ouvindo um galope? - E, dirigindo-se ao cavalo que se aproximava, indagou - Quem é você e por que corre assim?
- Eu sou um cavalo, pertenço à espécie equina e corro para fugir do homem, que tem mania de montar nas minhas costas - explicou o recém chegado.
- Venha conosco e estará seguro - convidou o leãozinho.
- Vou mesmo com vocês - afirmou o cavalo.
- Batalhão. . . marche! - comandou o capitão leãozinho.
Retomaram o caminho até que o leãozinho ordenou:
- Batalhão. . . alto!
- Mais uma nuvem de pó - observou a patinha. - Quem será agora?
- Silêncio aí na tropa! Falo eu, que sou o comandante. Vejam! Era um camelo, por isso a nuvem de pó desta vez era tão grande.
 - Sim, sou um camelo e estou correndo para fugir do homem.
- Não diga! Até você, que é desse tamanho? - admirou-se o leão.
- O homem tem algo mais que a força, é a astúcia - esplicou o camelo e isto o ajuda a vencer sempre.
- Veremos! - disse o leãozinho. - Vamos combater o homem. Quer vir conosco?
- De boa vontade- respondeu o camelo. - Quero ver o que vocês vão fazer quando o encontrarem.
- Batalhão. . . marche!
O leãozinho seguiu à frente da tropa, até que de novo ordenou:
- Batalhão. . . alto!
- Não estou vendo nenhuma nuvem de pó- observou a patinha.
 - Silêncio aí na tropa! Quem fala sou eu! Não é nenhuma nuvem de pó. É um ser estranho que carrega madeira na cabeça e traz pendurada no braço uma caixa com os ferros!
- Não será o homem? - indagou a patinha.
- Batalhão. . .  alto! - comandou o leãozinho. - Eu, que sou mais forte, vou descobrir quem é este ser estranho.
 O ser era mesmo um homem, um carpinteiro, carregando madeira e ferramentas. Quando viu o leãozinho, planejou logo capturá-lo. Decidiu que o melhor meio seria usar astúcia e por isso falou manhoso:
- Filho do rei da selva, ajude-me, que estou em apuros.
O leãozinho achou que o estranho reconhecia sua superioridade e respondeu:
- Diga-me antes a que espécie pertence e qual é o seu problema.
- Pertenço à espécie dos carpinteiros e sou perseguido pelo homem.
- Venha comigo, que vou liquidar o homem - rugiu o leãozinho.
- Não posso ir junto porque tenho de levar estas madeiras que carregava na cabeça.
- Para quem você vai levar essas madeiras? - quis saber o leãozinho.
- São uma encomenda do ministro do pai de Vossa Alteza. Quer que eu faça uma casa para ele.
- E você vai fazer a casa da pantera, que é apenas o ministro do meu pai, antes de fazer a minha, que sou filho do rei da floresta?
- Posso fazer uma casa para você - assegurou o carpinteiro, mas eu nem sabia que você queria uma casa!
- Quero a casa e exijo que seja imediatamente - ordenou o leãozinho.
Conforme disse, o leãozinho ergueu as patas da frente e empurrou o carpinteiro pelos ombros fazendo-o perder o equilíbrio e cair sentado no chão.
- Quero que faça uma casa para mim.
- E a pantera? - indagou o carpinteiro.
- A pantera que se dane! Comece logo a minha casa.
O carpinteiro que era muito manhoso, tinha conseguido o que queria. Desde o começo que não contara que era um homem, fizera o plano de aprisionar o leãozinho e só para lográ-lo inventara essa história de construir uma casa.
Quando o trabalho já estava quase pronto, disse com muito jeito:
- Experimentar para quê?
- Não quero que depois você se queixe que ficou muito estreita ou mal ventilada - explicou o carpinteiro.
O leãozinho meteu-se na caixa, embora com certa dificuldade, queixando-se:
- Puxa! Não consigo enfiar todas as pernas aqui dentro!
O carpinteiro estimulava:
- Precisa um pouquinho de jeito para morar em casa.
O leãozinho suava para acomodar-se e dizia:
- Já estou quase dentro.
- Força, amigo!
- Agora vou experimentar o teto - falou o carpinteiro.
O carpinteiro bem depressa colocou a tampa na caixa e pregou com marteladas rápidas e seguras. Lá dentro o leãozinho gritava:
- Carpinteiro! Abra a porta, que a casa é muito estreita.
- Mais estreita vai ser a jaula - respondeu o carpinteiro.
- Você queria matar o homem e o homem aprisionou você
- Quer dizer que você é um homem? - admirou-se o leãozinho.
- Claro que sim - afirmou o carpinteiro. - E venci sua força e ferocidade com minha astúcia e inteligência.
Ao verem o que acontecia, o burro, o cavalo, o camelo e a patinha acharam que estava dissolvido o batalhão de caça ao homem.
O burro comentou:
O leãozinho caiu como um pato.
A patinha respondeu:
- Deixou-se prender como um burro, isso sim!
O cavalo aconselhou:
- Melhor voltarmos à nossa vida de antes.
- Acho que eu tenho mesmo é que puxar carroça - disse o burro.
- E eu de carregar o homem - conformou-se o cavalo.
- Eu vou me reunir a uma caravana no deserto - foi a despedida do camelo, afastando-se do grupo.
A patinha tomou o rumo do mar e se pôs a nadar em direção a sua ilha rica de árvores, frutas, flores, rios, lagos e cachoeiras, onde o ser terrível e astuto, chamado homem, não tinha chegado ainda.
 Fábula Oriental
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todas pessoas abaixo tem o mesmo interesse que você, siga você também

Receba Novidades por Email

Google+ Badge

Histórias mais vistas

Prestação de serviço

  • "TAMBÉM PODERÁ GOSTAR DE:"